França

França 2017-07-07T12:11:31+00:00

França, tosca e agradável.

29/07 – Chegamos na França, achamos um camping baratinho. A cidade era tão pequena que nem mercado tinha. Não parava de chover nunca, tratamos de arrumar as coisas, quando deu uma trégua, saímos fora. Ontem não parou de chover, a barraca infiltrou e molhou tudo. Tava muito frio. Conseguimos chegar até o sol. Como é bom poder se aquecer depois de 2 dias sem ver o sol.

30/07 – Passamos pela cidade de Foix. Visitamos o Castelo de Foix. Pedalamos até acharmos um diocamping num parque de merendas qualquer.

 

03/08 – O pedal na França é legal porque é plano, mas as paisagens não mudam e por onde estamos passando não tem lugares muito bonitos. Tem muito lixo jogado na estrada e em todos os lugares. O frances é meio largado. As casas também são bem toscas. Agora, quanto as pessoas, os franceses são muito legais. Olham pra gente rindo. Quando tentamos nos comunicar, eles se esforçam para falar com a gente, a maioria não fala ingles, mas eles tentam, assim como nós. Então, aquela história de que frances não tenta falar outra lingua, acho que só em Paris mesmo. O clima está quente, muito, muito quente. Aqui na França estamos encontrando os melhores diocampings. Ninguém liga para o que estamos fazendo. Muito facil achar diocamping por aqui. Estamos evitando ao máximo pagar camping, esta em alta temporada e tudo é muito caro. E aqui os campings são classificados por estrelas, é mole? Se um camping tem piscina, ele tem 3 estrelas, mas é a mesma coisa que qualquer outro. Só muda o preço que fica altíssimo.

 

04/08 – Niver do nosso amigo querido Dan! Parabéns!
Hoje foi o dia da preguiça master. Sempre tem aquele dia que você não acordou pra pedalar. Fazia muito calor. O sol tava rachando. Chegando numa cidade o pneu do Thiago fura. Ele remendou e na hora de encher, a bomba de ar quebra. Logo passou um casal de bike e nos ajudou. Chegando na cidade grande de Sete, ainda sem bomba, o mesmo pneu simplesmente fura do nada, abriu um buraco na parte de dentro. Até agora não descobrimos o que aconteceu. As lojas ja estavam fechadas, mas conseguimos ajuda de um jovem frances, ufa! Encontramos um cicloviajante (Bernard) que fez questão de parar pra conversar com a gente. Depois de muito desgaste, ja era hora de procurar um banho e um diocamping. Achamos um banheiro, mas era particular, para os donos dos barcos. Mas o Bernard (outro) que estava em seu veleiro, deixou a gente tomar banho nesse banheiro, foi muito gentil com a gente, e só não arrumou lugar pra ficarmos porque ia passar a noite no barco. Gente, o maior luxo da vida é poder tomar um bom banho, depois de um dia inteiro pedalando e suando. Como é gostoso! Já era noite, muito tenso procurar diocamping a noite, não dá pra ver se o lugar é propício ou não. Mas achamos um lugar ótimo e tivemos nossa noite de descanso.

 

06/08 – Decidimos sair do litoral. Muita gente, camping muito caros. Seguimos então em direção ao Parc de Camargue. Chegando no parque, a estrada era tranquila, área verde sem fim. Achamos um lago lindo, tomamos um belo banho e antes do sol se pôr, fomos procurar diocamping. Fomos seguindo até chegar num canal que precisava atravessar de barco, mas estava fechado. Sem problemas,  a gente acampa e amanha pegamos o barco. A região tinha diocamping por todos os lados era só escolher. Porém assim que o sol se pôs, apareceram trilhões de pernilongos nos atacando. Não tinha pra onde correr, a estrada tinha pequenos canais de agua pelos dois lados, infestados de mosquito. Então, tivemos que pedalar o caminho todo de volta bem rápido para não dar tempo deles nos picar. Se a gente parasse um segundo ja vinham muitos em cima, picando por cima da roupa. Nossa, foi desesperador. Saímos numa outra estrada já a noite, e ainda tinha muito mosquito. É muito perigoso pedalar a noite, então decidimos diocampar no primeiro lugar que encontrássemos. Achamos um lugar qualquer e montamos a barraca na pressa, entramos nela e junto entrou uns 20 pernilongos. Nem deu pra fazer a janta. Mas conseguimos nos proteger dessa praga. Aprendi a gostar das aranhas, porque pernilongo é um bicho medonho. Deu tudo certo no fim!

 

07/08 – Passamos pela cidade de Arles, Van Gogh já morou aqui. Fiquei pensando nele e na vida sinistra que ele teve. Fizemos um video com os melhores momentos em Portugal. Escolhemos uma música aleatória do Ben Harper chamada Homeless Child (Criança Abandonada). Nesse dia, num sábado, já era tarde e não havíamos encontrado lugar pra diocampar. Passamos por uma cidade, e vimos pessoas comendo em lanchonetes, outras bebendo em bares, outras chegando em casa. As vezes a gente se sente um pouco crianças abandonadas. Na hora do cansaço, depois de um dia inteiro de pedal e já  a noite não ter encontrado lugar pra dormir, nos sentimos sem teto. Mas isso passa, a gente sempre acaba encontrando um lugar e no dia seguinte acordamos dispostos a pegar a estrada e tudo volta a ficar bem. Nós escolhemos essa vida, e é somente por um tempo. Tudo esta valendo a pena.

 

10/08 – Encontramos um cicloviajante espanhou de Gijon, o Pablo. Esta viajando com seu cachorro e arrecadando grana para ajudar pessoas que necessitam, vejam mais informações em seu site: www.bikecanine.com. Passamos pela cidade de Aix de Province, já estavamos pra sair dela quando um homem cruzou nosso caminho. Ele estava de bicicleta e ja olhou pra gente com um sorriso imenso. Tentou falar em frances, mas sabia falar um pouco de ingles e conseguimos trocar umas ideias. Ele ja pedalou pela america do sul de bike e adorou quando dissemos que éramos brasileiros. Nos convidou para dormir em sua casa, aceitamos. Seu nome é François, ele tem 68 anos, e ja foi de Paris a Pequim de bike, ja deu a volta na espanha, na frança e em dezembro vai dar a volta na Nova Zelandia. Gente, dormimos na casa de um mestre da bike. Gente boa demais, nos tratou como reis. Nos deu toda a comida que tinha em casa, todos os queijos finos, que maravilha! Que exemplo! Ele nessa idade tem saúde pra dar e vender.

 

No dia seguinte, François pedalou com a gente um trecho e seu amigo Patrick nos acompanhou por 60km. A gente pedalou bem rápido pra tentar acompanhar o Patrick, ficamos exaustos e ele nem suou, isso porque teve que voltar os outros 60km. Que galera forte, viu. Nos deixou num bar, ligou pro François avisando que estava tudo bem e voltou. Pouco depois que o Patrick saiu, dois caras da mesa ao lado puxaram assunto com a gente. Eram dois irmãos (François e Clemont), pensa em uns caras totalmente engraçados. Nos acharam loucos por causa da viagem e nos convidaram pra dormir na casa de verão deles. Claro que aceitamos. Bebemos vinho rosé até dizer chega e preparamos um belo porco na churrasqueira. Ficamos lá os quatro bebos jogando um jogo frances e dançando musica brasileira, bizarramente. Foi irado! Nunca mais vou me sentir homeless child!

 

14/08 – Acordamos cedo para atualizar o blog. Demorei umas 3 horas. Ainda na França, passamos pela cidade de Grasse (capital do mundo da perfumaria). Linda cidade no meio da mata, tem muito verde e uma vista maravilhosa do mar. Diocampamos numa mata perto da estrada. Se tudo der certo, amanhã chegaremos na Itália.

 

15/08 – O pedal hoje foi bem interessante, passamos por várias cidades lindas e ricas. Nice é uma delas, também no meio da mata. A praia estava lotada de gente. O mar mediterrâneo é lindo, nunca tinha nadado num mar tão azul. Pra quem curte uma praia bonita e badalada, vá para Nice.

Agora se você quer ver gente muito rica, vá para Mônaco, ao lado de Nice. Nas ruas só se vê Ferraris, Porsches e Lamborghinis, e eu que achava que só existisse Ferrari vermelha, vimos de várias cores. Quase não tem mais estacionamento para o tanto de iate que tem por lá, um mais top que o outro. Foi num desses iates que estava George, gente o George é a cara da riqueza. Estava dentro do seu iate que tinha seu nome estampado em dourado no barco. Vestindo uma camisa polo no estilo slim fit com sua bermuda sarja creme e um belo sapato de couro com detalhes em camurça, o cabelo impecável, louro, parecia que estávamos vendo um comercial da Giorgio Armani ao vivo. Uma pena não termos tirado foto de George. George é Mônaco em pessoa.

Post Anterior
Próximo Post